OS IMORTAIS DA POESIA "CEGO ADERALDO"


Aderaldo Ferreira de Araújo, mas conhecido como Cego Aderaldo, nasceu no Crato-CE no dia 24 de junho de 1878, foi um dos mais importantes poetas populares do Ceará e de todo o Brasil, seus versos e motes ainda são entoados e lidos até hoje. Conhecido por ser um poeta de respostas rápidas e raciocínio lógico, Cego Aderaldo tinha muita papidez em suas rimas e repentes.

Cego Aderaldo perdeu sua visão ainda cedo, depois de um sonho que teve em versos. Após o falecimento de sua mãe, ele resolver sair pelo nordeste fazendo suas rimas.
Faleceu aos 89 anos em Fortaleza-CE, no dia 29 de junho de 1967. Nunca casou, mas criou 24 filhos.


Em 1914, disputou um desafio com Zé Pretinho, foi um marco na poesia, essa disputa foi registrada por Firmino Teixeira do Amaral no cordel A peleja de Cego Aderaldo com Zé Pretinho.



A peleja do Cego Aderaldo com José Franco

Esta é a luta do cego Aderaldo com José Franco, também chamado Francalino, que travou-se na fazenda Trombador e foi registrada por Luís da Câmara Cascudo, em Vaqueiros e cantadores.


De folhas de oiticica
Estava um barracão bem feito
José Francalino disse:
Cantar aqui não aceito
Homem que canta em barraca
Não pode cantar direito

Com muito rogo o cantor
Aceitou sempre o assento
Mandou que eu me sentasse
Do outro lado do vento
Colocou o povo em roda
E nós ficamos no centro

Ele afinou a viola
E começou o baião
Eu afinei a rabeca
Dei a mesma entoação
Agitou-se o pessoal
Para ouvir a discussão

J — Senhores, dêem-me licença
Funcionar a garganta
Mostrar ao cego Aderaldo
A minha palavra santa
Meu eco treme a colina
Parece que o bosque canta

C — Dê-me licença, senhores
Ó riquíssima personagem
Cantar com esse cantor
Quem vem com tanta vontade
Dizendo que sua voz
Para o vento é a miragem.


Postagem:
ROBÉRIO VASCONCELOS
Diretor e editor do CLUBE DO REPENTE

1 Resposta(s) para "OS IMORTAIS DA POESIA "CEGO ADERALDO""

  1. wilton prof says:
    2 de maio de 2011 08:32

    permita Deus que eu viva
    somente até o dia
    que existir cordelismo
    embolada e cantoria
    pois se esses se findasem
    eu também me findaria

    vejo triste a juventude
    abandonando a cultura
    esquecendo o que é da gente
    a nossa arte mais pura
    tão rica em sentimentos
    de inegável estrutura

    quando vejo meus alunos
    recitando um cordel
    ou admirando a rima
    feita por um menestrel
    sinto como se tivesse
    ganhado um lugar no céu

    e aqui eu só expresso
    aquilo que a alma sente
    quero parabenizalos
    por um trabalho exelente
    e me tornar seguidor
    do clube do repente

Todos os Direitos Reservados para Clube do Repente
Desenvolvido por George Veríssimo
*